nova zelândia

A paulista Bárbara Araújo de Assis, 29 anos, mora há quase cinco anos na Nova Zelândia. Morou antes na Espanha por um ano. “Gostei muito da experiência de ter morado na Espanha, mas fui impulsionada mesmo a mudar do Brasil em virtude do assalto a mão armada que eu sofri em São Paulo”. Atualmente, ela mora na cidade de Luggate e trabalha em Wanaka. Chegou no país em outubro de 2015. Bárbara conta que não teve muito problema de adaptação. “O idioma atrapalhou um pouco sim. Achei que sabia um pouco de inglês ate chegar aqui e perceber que eu não entendia nada (risos). O frio para mim não é problema, porque eu gosto de frio e a maioria dos lugares tem aquecimento”.

Bárbara afirma que saiu de São Paulo para buscar mais tranquilidade e segurança num novo país. “Meu dia a dia aqui é 5 de trabalho e dois de folga, por semana. Nos meus dias off gosto bastante de viajar e fazer caminhada, o país é maravilhoso e tem muito lugar bonito para ir. Vim para a Nova Zelândia buscando segurança e uma vida mais tranquila (sem aquela correria de SP) e para mim super compensa. Na parte de segurança o país é incrível, tem seus problemas, principalmente nas cidades grandes, como em todo país, mas aqui aonde eu moro e na cidade que meu namorado mora (ele é kiwi e mora em Alexandra) é bem seguro. Eu só tranco meu carro quando vou passar horas longe dele. Se eu for só em uma loja ou no mercado, por exemplo, eu nem tranco o carro (meu namorado nem desliga o carro, deixa o carro ligado e entra nas lojas)”. Ela falou também sobre o lado financeiro de viver na Nova Zelândia. “Na parte financeira eu nunca vi a NZ como país para fazer dinheiro, o salario não é ruim, o salario mínimo é de $18.90 dólares por hora, mas aluguel, mercado e transporte pode sair bem caro. Aluguel depende muito de onde você mora e quantas pessoas. A maioria das vezes eu aluguei um quarto para mim em uma casa compartilhada e ai sai uma média de $150 a $200 por semana. Mercado eu gasto normalmente uns $80 para mim, compro bastante salada e não compro muita carne”.

O sistema de saúde, segundo ela, é bem interessante na Nova Zelândia. “A saúde aqui tem um sistema interessante. Qualquer pessoa que tenha permissão de trabalho por 2 anos ou mais (pode ser a soma dos vistos) tem direito a saúde pública, que, na verdade é um valor mais acessível no médico e na maioria dos medicamentos. Quanto a segurança o país tem alguns problemas. Quando eu morei em Auckland não tinha essa sensação de segurança que tenho na ilha sul, mas ainda assim me sentia segura. Ficava na rua sozinha de madrugada e nunca tive problemas com nada, mas ainda assim conheço gente que teve bolsa furtada, carro roubado e essas coisas, mas não no nível de violência que existe no Brasil. Mas aqui aonde eu moro atualmente tenho um sentimento mais de comunidade, a cidade é minúscula e todo mundo se conhece. Um dia eu estava trabalhando, nesta época trabalhava no único bar aqui em Luggate, e um cara bêbado roubou um carro que ele achava que era de um cara que estava devendo para ele. Foi em frente ao bar e ai ele veio falar comigo e me explicar porque estava roubando o carro. Ele até deixou o número do celular dele. Nem preciso falar como foi fácil para a policia localizar ele (risos). Eu amo a sensação de segurança aqui”.

E os planos estão só começando. “Logo que cheguei na NZ, em Auckland, a vibe era mais internacional, conheci muita gente de muitos países diferentes, trabalhei em muitas coisas diferentes, foi muito bom para me conhecer mais, conhecer meus limites, fiz coisas que jamais me imaginei fazendo e faria tudo de novo. Realmente não tenho do que reclamar. Quando na minha vida que eu ia me imaginar morando na NZ, vivendo em inglês. É tanto inglês que eu penso em inglês, eu falo comigo mesmo em inglês quando não tem ninguém do meu lado. Tenho um namorado maravilhoso neozelandês, fazendo várias viagens e conhecendo lugares incriveis e maravilhosos. Para ser sincera eu não sou muito de planejar futuro mas com certeza meu maior plano no momento é abrir um camping ground aqui na ilha sul. Ainda tenho muito o que planejar e pesquisar sobre, mas é um plano antigo. Eu tinha um projeto em fazer um hostel no Brasil e ai quando mudei para NZ comecei a pensar em um hostel na NZ, mas após mudar para a ilha sul eu tive um acidente de carro e comprei um carro que eu pudesse dormir nele. Foi ai que comecei a visitar algumas cidades ficando em camping grounds, curti tanto que comprei uma van e me mudei para a minha van. Fiquei por três meses até alugar o trailler do meu antigo trabalho, onde fiquei por 10 meses e ai mudei os planos de um hostel para um camping ground”.

Leia mais

De proprietária a funcionária: a vida de uma gaúcha depois dos 50 na Irlanda

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*